Skip to content

A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM DE PLACAS ELETRÔNICAS

A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM DE PLACAS ELETRÔNICAS

A reciclagem de placas eletrônicas não só protege o meio ambiente, mas pode ser também um negócio interessante do ponto de vista financeiro para as empresas e também para a geração de empregos.Acesse o blog e saiba mais.

Poucas pessoas sabem, mas as placas eletrônicas dos mais variados equipamentos, como computadores, televisores e celulares, por exemplo, possuem um valor econômico muito significativo, mesmo quando já não estão funcionando mais. 

Dentro desse raciocínio, conclui-se que a reciclagem de placas eletrônicas não só protege o meio ambiente, mas pode ser também um negócio interessante do ponto de vista financeiro para as empresas e também para a geração de empregos

O estado de São Paulo é o maior produtor brasileiro de sucata eletrônica.  As placas brasileiras provêm, principalmente, de equipamentos de informática – computadores, periféricos e acessórios – e o restante vem de celulares, televisões e sistemas de áudio. 

Por mais incrível que possa parecer, normalmente existem 17 tipos de metais nessas placas, entre pesados, preciosos e de base. Entre os preciosos, há que se destacar os valiosos e raros ouro e prata

Isso vem mostrar de fato a importância da reciclagem das placas eletrônicas em nível mundial, ainda mais considerando a relevância da eletrônica no dia a dia do século 21.  

No entanto, atualmente, somente uma pequena quantidade das placas de circuito impresso passa por um processo de reciclagem. E isso é uma realidade que precisa ser mudada o quanto antes, pois o lixo eletrônico só vai aumentar daqui para frente.  

VEJA TAMBÉM: COMO A MONTAGEM DE PLACAS ELETRÔNICAS EM TECNOLOGIA PTH E SMD PODE DOBRAR SUAS VENDAS?

O uso crescente dos aparelhos eletrônicos no mundo se assemelha a uma locomotiva disparada e, o que é pior, sem freios. Muito além dos computadores e dos celulares, também estão chegando ao nosso cotidiano uma infinidade de robôs para atuarem nas mais variadas funções. Não é por acaso que o número de placas de circuito impresso fabricadas ao redor do mundo cresce a uma taxa de cerca de 9% ao ano. 

Circuito eletrônico para robô de pequeno porte.

Atualmente, em quase todo o planeta, a maioria das placas são simplesmente incineradas ou jogadas em aterros sanitários, o que libera poluentes tóxicos, tais como metais pesados e dioxinas, nas águas subterrâneas e na atmosfera

É justamente nesse sentido que cresce a importância da reciclagem. A recuperação e o reaproveitamento desses metais em larga escala vão amenizar a exploração dos recursos naturais, e os materiais reciclados em muitos casos irão voltar para suas indústrias de origem.  

Em outras palavras, irá ocorrer uma economia na quantidade de recursos naturais disponíveis ao recuperar o que já foi extraído e colocar os componentes de volta no ciclo de produção

Por outro lado, as partes que não são recicláveis acabarão sendo usadas em outros processos. O plástico contido nas placas de circuito, por exemplo, hoje é queimado para gerar energia para outras etapas da reciclagem.  

Mas já existem empresas construindo cadeiras, mesas, bancos e outros móveis com esses plásticos. Até mesmo pequenos barcos podem ser moldados e construídos a partir dos plásticos utilizados nas placas eletrônicas. 

Mesmo assim, o aumento da reciclagem das placas eletrônicas precisa ganhar mais atenção da sociedade civil, dos governos e das empresas. É preciso que canalizem todos os esforços possíveis nesse sentido.  

E a razão é simples. A digitalização através da eletrônica é um caminho sem volta. E a rapidez com que isso ocorre chega a ser preocupante. A vida útil de celulares e notebooks, por exemplo, não é longa. Então, é preciso de fato buscar soluções ambientalmente corretas para o destino desses aparelhos a partir do momento em que não tiverem mais uso. 

E sem dúvida a reciclagem é o melhor caminho por vários motivos. Um deles é que, ao final do processo, os metais estão como novos e podem ser vendidos pelo mesmo valor do metal novo. O que regulamenta esse preço é tão somente a bolsa de valores.   

NOVAS TÉCNICAS

Felizmente, a tecnologia de reciclagem de placas eletrônicas vem se desenvolvendo ano após ano. Na China, por exemplo, uma nova técnica foi criada.    

E, ao contrário dos métodos utilizados hoje em dia, ela pode ser utilizada para recuperar metais valiosos, a exemplo do cobre, sem liberar fumaças tóxicas no meio ambiente. 

Ou seja, recupera-se valor do que antes era apenas sucata e se promove a proteção de nosso bem maior, que é a natureza

Derek Fray, da Universidade de Cambridge, Inglaterra, que pesquisa a reciclagem e o reprocessamento de materiais, diz que essa inovação chinesa será realmente revolucionária no segmento de placas eletrônicas, reduzindo de fato a contaminação ambiental. 

O Brasil também tem avançado na área de reciclagem de eletroeletrônicos, embora ainda a passos lentos.  Há empresas que identificam e separam os componentes de forma quase artesanal, e os materiais, dependendo da natureza de cada um deles, são vendidos para outras indústrias que os reaproveitam em seus próprios processos fabris. 

Um exemplo muito interessante diz respeito aos componentes não metálicos, os quais podem ser compactados em placas para utilização como material de construção, entre outros. 

Isso pela simples razão de que placas de circuitos impressos são feitas de camadas isolantes de fibra de vidro e resina, sobre as quais são montados os componentes eletrônicos e feitas as suas interconexões.  

E a fibra de vidro e a resina são materiais de variados usos na indústria nacional, como por exemplo na fabricação de caixas-dágua, reservatórios em geral, piscinas, banheiras, tanques para lavagem de roupas, entre outros. 

Na reciclagem das placas eletrônicas existem também processos não artesanais, como por exemplo a fundição e a destilação a vácuo, sendo que no caso da fundição o gasto de energia é menor.  

IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM

É preciso reciclar para economizar os recursos naturais, os quais são finitos. Na verdade, é mais do que necessário reduzir, reutilizar e/ou reciclar os materiais, promovendo ao mesmo tempo o desenvolvimento econômico, social e ambiental, principalmente quando consideramos o crescente consumo de produtos que utilizam as placas eletrônicas.  

E jogar sucata eletrônica em um aterro, por exemplo, é o mesmo que jogar dinheiro fora, pois ali estão ouro, prata, níquel, cobre, entre outros

Em resumo, a reciclagem eletrônica beneficia o meio ambiente e a humanidade de três formas diferentes: gerando riqueza e empregos, evitando que novas matérias-primas sejam retiradas da natureza e impedindo que metais pesados sejam jogados em aterros sanitários sem tratamento e acabem contaminando a natureza. 

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato conosco, esperamos seu contato!